O que está em jogo?

A qualidade de vida da humanidade – até mesmo a sua sobrevivência – depende dos recursos biológicos que o nosso planeta proporciona. O solo fértil, a água limpa e o ar puro são essenciais para proporcionar aos seres humanos os alimentos e a saúde física de que necessitam para prosperar. Ecossistemas naturais vibrantes, como oceanos e florestas, são indispensáveis para manter o nosso planeta habitável, incluindo a absorção das emissões de dióxido de carbono. Os ecossistemas também ajudam os seres humanos a manterem-se psicologicamente e espiritualmente alicerçados e equilibrados.

Um ponto de viragem ocorreu no início da década de 1970, quando a humanidade começou a utilizar mais recursos naturais renováveis do que o planeta é capaz de repor. Outra forma de o dizer é que a Pegada Ecológica da humanidade ultrapassou a biocapacidade do planeta. A partir desse momento, o mundo entrou numa situação de défice de biocapacidade ou de défice ecológico.

Desde então, temos vindo a aumentar esse défice. Os dados da Pegada Ecológica e da biocapacidade dizem-nos que a humanidade utiliza atualmente tantos recursos naturais renováveis como se vivêssemos em 1,7 planetas. As emissões de dióxido de carbono, por si só, constituem 60% dessa Pegada global. Os sinais de que o capital biológico do nosso planeta está a ser comprometido estão em todo o lado. Alterações climáticas, desflorestação, erosão do solo, insegurança alimentar, má gestão dos recursos hídricos e guerras motivadas pela escassez de água, migrações – apenas para citar alguns – estão a causar estragos nas comunidades humanas e a enfraquecer as economias.

Por outro lado, colocar o capital biológico no centro de qualquer tomada de decisão, política e económica, proporciona o mínimo necessário para que a humanidade tenha uma oportunidade de alcançar uma prosperidade sustentável.


O que é a Aliança One-Planet?


Como pode beneficiar o meu país?